Meu Painel
Carregando capa... Reposicionar...
Seguidores
( 0 )
O usuário não tem nenhum seguidor ainda
Seguindo
( 0 )
Usuário não segue ninguém ainda
Amigos Comum
( 0 )
  • Não há amigos em comum atualmente
Fotos
( 3 )
Atualizações Recentes
  • Lições Espirituais Extraídas do Deserto

    Meus amados e queridos irmãos em Cristo Jesus, a Paz do Senhor!

    Estaremos desenvolvendo mais um estudo sobre o deserto; desta feita falaremos sobre “As 20 lições espirituais extraídas do deserto”. Vamos acompanhar!

    Muitos homens da Bíblia tiveram que ir ao deserto:

    • Moisés ficou lá quarenta anos: (At 7:22-23,29-30) (V. 22) Assim Moisés foi instruído em toda a sabedoria dos egípcios, e era poderoso em palavras e obras.

    Deus o preparou 40 anos no Egito;

    Deus o preparou 40 anos em Midiã;

    Para estar 40 anos na liderança do seu povo.

    (V. 23) Ora, quando ele completou quarenta anos, veio-lhe ao coração visitar seus irmãos, os filhos de Israel.

    (V. 29) A esta palavra fugiu Moisés, e tornou-se peregrino na terra de Midiã, onde gerou dois filhos.

    (V.30) E passados mais quarenta anos, apareceu-lhe um anjo no deserto do monte Sinai, numa chama de fogo no meio de uma sarça.

    Os acontecimentos que marcaram a vida de Moisés nos ensinam lições preciosas.

    1. Quanto mais difícil é a tarefa que Deus tem para seus servos, maior e mais difícil é a preparação e o caminho que eles têm a percorrer antes de cumprir sua tarefa.

    2. Se estivermos enfrentando muitas dificuldades que não foram causadas por nossa própria imprudência, devemos alegrar-nos no Senhor e aguardar o momento determinado por Deus.

    3. Sempre foi assim com aqueles que realmente foram chamados por Ele.

    4. Para ser apto a conduzir o povo através do deserto não bastava conhecimentos de astronomia, geometria e geografia.

    5. Ele precisava aprender a sobrevivência no deserto, a paciência, à tolerância,

    6. O autocontrole e, principalmente, aprender o caminho para uma íntima e profunda comunhão com Deus.

    7. O silêncio e a imensidão do deserto, bem como o trato contínuo das ovelhas de seu sogro, deram-lhe essas qualidades.

    8. Agora ele sabia que, da mesma forma que as ovelhas, o povo não lhe pertencia. Ele deveria cuidar guiar e, depois, prestar contas.

    9. Deus não permitiu sequer que Moisés possuísse o seu próprio rebanho.

    10. Todos nós devemos atentar bem para a vida de Moisés.

    11. A responsabilidade é grande.

    12. Mas o Dono da obra é o Senhor (Mt 9. 38) e é Ele quem proverá os meios e as condições para que o trabalho seja feito.

    13.Toda a honra e toda a glória pertencem ao Senhor (Ap 5. 13)

    14. Deserto é o lugar de recebermos a chamada de Deus
    a) Moisés tem a experiência de fé e é chamado por Deus no deserto. Ex 3.1 (“E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe.”)

    b) Moisés recebe a visão de Deus no deserto.(no Monte Horebe). Ex 3.2-6 (“E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.

    E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima. E vendo o Senhor que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés.

    Respondeu ele: Eis-me aqui. E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa. Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.”

    c) Deus revela para Moisés o estado do seu povo e seu plano de Libertação. Gn 3.7-9 (“E disse o Senhor: Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores.

    Portanto desci para livrá-lo da mão dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra, a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel; ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu, e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.

    “E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem.”)

    d) Moisés é chamado e enviado por Deus. Gn 3.10 (“Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito.”)

    e) Observemos o preparo de Moisés para ser o líder, libertador e o legislador de Israel.

    15. NO DESERTO ENCONTRAMOS A NÓS MESMOS:
    Nós nos redescobrimos no deserto. A existência passa a ser percebida com um verdadeiro sentido de ser. É nessa situação que podemos estabelecer um propósito para vida.

    No deserto, Cristo teve avivada a consciência de ser Ele o Filho de Deus. Isso implicava em assumir o motivo de Sua encarnação, o Seu único propósito: a salvação de milhões de seres humanos - a cruz.

    Nas situações desérticas nós também passamos a priorizar nossas metas, tendo a convicção profunda de vivermos para a glória de Deus. (Rm 11.36) – “Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém”.

    16. NO DESERTO ADQUIRIMOS CAPACIDADE ESPIRITUAL:
    No deserto pessoal, nos capacita para resolver problemas mais ou menos semelhantes aos que Satanás apresentou a Jesus.

    As tentações querem fazer com que usemos nossa vida para nossos próprios propósitos. Quando somos tentados, somos forçados a nos comprometermos unicamente com nossas metas. Além disso, as situações tentadoras da vida querem até mesmo nos impedir de examinar e reavaliar nossos propósitos.

    17. NO DESERTO NOS FIRMAMOS NO CHAMADO DE DEUS:
    Quando estamos no deserto a força das circunstâncias, condições e o estabelecimento de prioridades significativas para nossa vida espiritual nos leva a renovarmos nossa vida. Assim, o deserto que a princípio seria um lugar de exaustão e queda passa a ser um ambiente onde o verdadeiro sentido da vida é valorizado.

    Dessa forma, reconhecemos nossa identidade como filhos de Deus.

    18. No deserto nos deparamos com o silêncio e requer paciência.
    Paciência para que os que querem tomar Deus a sério. Paciência não é a arte de esperar, mas a arte de saber, e o que se sabe se espera.

    E, no caso presente, saber que Ele é essencialmente gratuidade e, por conseguinte, as iniciativas de uma graça são e serão desconcertantes e imprevisíveis para nós: porque nEle não funciona como em nós.

    As leis de causa e efeito, ação e reação, as leis da proporcionalidade, os cálculos de probabilidade, mas somente a lei da Gratuidade: tudo é Dom, tudo é graça.

    Deus tem o seu tempo, a sua hora de que na plena gratuidade, que é de falar, tocar, experimentar a nossa humanidade. Importante é nos colocar em profunda, serena e calma atitude de adoração e espera. “Deus vai me falar”.

    19. Deserto é o lugar de conhecermos o zelo e as promessas de Deus. (Gn 21.14-20)
    Podemos observar isso na experiência de Agar e Ismael

    a) Agar e Ismael são despedidos e andam errantes pelo deserto.( Gn 21.14 )“Então se levantou Abraão pela manhã de madrugada, e tomou pão e um odre de água e os deu

    a) “Agar, pondo-os sobre o seu ombro; também lhe deu o menino e despediu-a; e ela partiu, andando errante no deserto de Berseba.”)

    b) Deus prova a fé de Agar. Gn 21.15 e 16 (“E consumida a água do odre, lançou o menino debaixo de uma das árvores. / E foi assentar-se em frente, afastando-se à distância de um tiro de arco; porque dizia: Que eu não veja morrer o menino. E assentou-se em frente, e levantou a sua voz, e chorou.”)

    c) Deus ouve a oração de Ismael e consola Agar no deserto. Gn 21.17 (“E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o anjo de Deus a Agar desde os céus, e disse-lhe: Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde está.”)

    d) Deus faz promessa a Agar no deserto. Gn 21.18 (“Ergue-te, levanta o menino e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação.”)

    e) Deus cuida dele lhe dando água e saciando-lhe a sede no deserto. Gn 21.19 (“- E abriu-lhe Deus os olhos, e viu um poço de água; e foi encher o odre de água, e deu de beber ao menino.”)

    f) Deus estava com o rapaz no deserto. Gn 21.20 (“E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro”)

    20. Deserto é o lugar de esperarmos o tempo de Deus para nossa vida
    Davi mesmo depois de ter sido ungido rei, esperou no deserto 18 anos para receber a coroa de Rei.

    a) Davi sofre perseguição de Saul e é protegido por Deus. I Sm 23.14 (“E Davi permaneceu no deserto, nos lugares fortes, e ficou em um monte no deserto de Zife; e Saul o buscava todos os dias, porém Deus não o entregou na sua mão.”)

    b) Davi recusa matar a Saul. I Sm 24:1-6 (“E SUCEDEU que, voltando Saul de perseguir os filisteus, anunciaram-lhe, dizendo: Eis que Davi está no deserto de En-Gedi. Então tomou Saul três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi em busca de Davi e dos seus homens, até sobre os cumes das penhas das cabras montesas.

    E chegou a uns currais de ovelhas no caminho, onde estava uma caverna; e entrou nela Saul, a cobrir seus pés; e Davi e os seus homens estavam nos fundos da caverna. Então os homens de Davi lhe disseram: Eis aqui o dia, do qual o Senhor te diz: Eis que te dou o teu inimigo nas tuas mãos, e far-lhe-ás como te parecer bem aos teus olhos.

    E levantou-se Davi, e mansamente cortou a orla do manto de Saul. Sucedeu, porém, que depois o coração doeu a Davi, por ter cortado a orla do manto de Saul.

    “E disse aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor.”)

    c) Segundo alguns eruditos, Davi recebeu a unção de Deus aos 12 anos, e segundo a bíblia ele começou a reinar com 30 anos.(2Sm 5.4 )“Da idade de trinta anos era Davi quando começou a reinar; quarenta anos reinou.”

    O que fez Davi antes?

    Matou o urso
    Matou o leão
    Expulsou o demônio de Saul
    Matou o gigante Golias

    Faça como Davi mesmo que esteja no deserto espere o tempo de Deus.

    Jesus passou momentos difíceis no deserto, mas jamais tirou os olhos de Deus. A Bíblia diz que Jesus foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecar (Hb 4.15).

    Aqui temos o exemplo dos níveis de tentação: no corpo, na alma e no espírito. Assim nós também somos tentados, em todo o nosso ser.

    Aprendemos que Jesus passou pelo deserto, mas venceu as tentações e teve um lindo e poderoso ministério. E quanto a nós, você e eu?

    Saiba que deserto não é lugar de permanência, mas de passagem. O tempo que ele vai durar depende somente de nós, de onde estão fixos os nossos olhos. Se nos problemas não venceremos as tentações.

    Mas, se estão no Senhor, na Sua Palavra, venceremos e logo sairemos dele!
    Eu não sei se você já passou ou está passando pelo deserto. Mas entenda que algum propósito contigo Deus tem, Ele quer te dar ricas experiências com Ele.

    Portanto use o deserto, aproveite o deserto para crescer na graça e no conhecimento do Senhor Jesus, amém!
  • A Capa de Bartimeu - Artigo Gospel

    TEXTO: Marcos – 10:46 a 51
    46. Depois chegaram a Jericó. E, ao sair ele de Jericó com seus discípulos e uma grande multidão, estava sentado junto do caminho um mendigo cego, Bartimeu filho de Timeu. 47. Este, quando ouviu que era Jesus, o nazareno, começou a clamar, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! 48. E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi tem compaixão de mim. 49. Parou, pois, Jesus e disse: Chamai-o. E chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama. 50. Nisto, lançando de si a sua capa, de um salto se levantou e foi ter com Jesus. 51. Perguntou-lhe o cego: Que queres que te faça? Respondeu-lhe o cego: Mestre, que eu veja. 52. Disse-lhe Jesus: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente recuperou a vista, e foi seguindo pelo caminho.

    1) INTRODUÇÃO
    Esta é uma mensagem que com certeza o amado irmão leitor já ouviu algum profeta de Deus pregar, e de várias formas e de vários ângulos esta mensagem já chegou até você, eu apenas gostaria de trazer uma palavra que me foi mostrada neste contexto e com certeza ela, a Palavra de Deus fará a diferença em sua vida.

    Eu denominei esta mensagem de A CAPA DE BARTIMEU, porque é sobre a capa que o contexto central desta mensagem falará.

    A Bíblia é um celeiro infinito de mensagens, uma fonte inesgotável da Palavra de Deus, e a vida desse mendigo, cego, andarilho, sujo, pobre, pedinte, chamado Bartimeu, filho de Timeu, irá nos mostrar uma verdade que mudará a sua vida, seja como cristão ou não, você com certeza receberá esta palavra como a verdade de Deus para sua vida e que esta verdade divina seja para cada um de nós um alicerce, sustentando nossas vidas espirituais.

    Bartimeu foi um homem que muito nos ensinou através de sua atitude na presença do Senhor Jesus e através de sua situação de vida. O que quero lhe mostrar é a mais pura verdade em que nós vivemos.

    2) A VIDA DE BARTIMEU
    O texto diz que saindo Jesus de Jericó uma grande multidão lhe acompanhava, eram os moradores daquela cidade que estavam ainda felizes com os milagres que o mestre tinha feito, que não foram escritos na Bíblia conforme João nos relata (Jo.21:25). O interessante é que Jericó era uma cidade maldita (Js.6:18), pois a ordem de Deus era para Josué não tocar em nada daquela cidade pois era anátema, ou seja, maldito, então foi Jericó destruída, que tristeza habitar em uma cidade maldita, era lá que Bartimeu nasceu e cresceu. Cresceu pobre, e cego, pois sua família não podia pagar um guia para ele, então Bartimeu foi ser pedinte, e a vida dele era ser humilhado, maltratado, insultado, ninguém se importa com um mendigo.

    A verdade é que nem o próprio mendigo se preocupa consigo mesmo, verdade é que se você perguntar a um deles qual o seu projeto de vida, com certeza ele não terá, e com bartimeu não era diferente, sem contar que ele era cego.

    Muitos em nosso meio estão como Bartimeu, sem projeto, sem sonhos, sem esperança, vivendo uma vida miserável espiritualmente, não tendo visão do amanhã. Bartimeu sabia de sua situação, sabia quem ele era e o que ele era, por isso meu amado cristão, não despreze seu irmão que aparenta estar sofrendo, ele pode necessitar de sua ajuda. Note que Bartimeu era cego e ficava à beira do caminho, com certeza ele precisava de ajuda de algum outro mendigo para ir até a beira do caminho que ficava fora da cidade para pedir dinheiro ou comida, ou qualquer outra coisa. É triste, mas a beira do caminho não é lugar de se ficar, somente mendigos sentam a beira do caminho, pois eles não eram aceitos no interior da cidade onde vivem os fariseus e os escribas.

    Mendigo, cego, pobre, pedinte, rejeitado pela família, que nasceu e viveu em uma cidade maldita, proibido de viver no meio da sociedade da época, que vida mais desgraçada era a de Bartimeu, talvez se fosse outro já teria se suicidado, mas ele não. Eu creio que Bartimeu não era uma pessoa infeliz, frustrada, amarga, embora tivesse toda razão para isso, mas sinceramente creio ser ele um homem positivo e esperançoso, talvez fosse essa razão que o levou a ficar gritando para o Filho de Davi.

    Ainda tenho fé que Bartimeu tivera alguma informação sobre Jesus e creu naquilo que lhe contaram, pois a Bíblia relata que ele gritava: “JESUS, FILHO DE DAVI, TEM COMPAIXÃO DE MIM”, isso nos mostra que ele sabia com quem estava falando.

    Que lição de vida esse pobre homem nos ensina, talvez essa é a atitude que nós não temos tomado diante dos problemas da vida, e ao invés de acreditarmos e lutarmos, sendo esperançosos, pois a vida desse homem é excepcional, pois logo que ele ouviu que era Jesus que passava pelo local ele não duvidou em seu coração de que Jesus seria a solução de seus problemas, então como eu acredito que Bartimeu conhecia a fama de Jesus, ele apela para aquilo que Jesus mais tem, COMPAIXÃO.

    Uma das coisas que mais me chama a atenção e a sabedoria de Bartimeu em apelar para aquilo que de certa forma seria o ponto fraco de Jesus, se é que posso dizer assim. Bartimeu diz “...TEM MISERICÓRDIA DE MIM”, como que Jesus não atenderia tão grande apelação. Aquele que outrora era desprezado, humilhado cego, sujo, mendigo, pedinte, pobre, desgraçado, nascido em uma cidade maldita, estava próximo de alcançar um milagre que iria mudar a sua vida por completo, mas Bartimeu mesmo cego vê que ainda faltava uma coisa, talvez a mais importante, que se não fosse resolvida poderia estragar o milagre, o impossibilitando de receber a benção.

    É aqui que eu quero chegar, o ponto chave na visão de um cego.

    3) A CAPA DE BARTIMEU
    Talvez você já tenha visto um mendigo pelas ruas da sua cidade, ou talvez tenha visto pela televisão, mas no Brasil dificilmente você não tenha visto um mendigo com seus próprios olhos, pois até os telejornais mostram que no Brasil tem gente que até põe fogo em mendigos que estão dormindo pelas ruas. Mas eu vou refrescar sua memória, e com certeza você irá concordar comigo.

    Um mendigo anda pelas ruas sem lembranças sólidas, pensando somente no agora, ele já não valoriza mais seu próprio corpo, pois já não se importa com banhos, cortes de cabelos ou com se barbear, seja homem ou mulher, eles se embriagam, procuram tocos de cigarro pelo chão, restos de comida pelos lixos. E por serem pessoas assim, acabam por repelir as pessoas, pois causam rejeição de todos, tenho certeza que você nunca perguntou a um mendigo quem ele é, ou qual o seu nome, ou mesmo se ele tem família ou uma profissão. Os mendigos estão em baixo das pontes, viadutos ou marquises, procurando um lugar para abrigarem do frio ou da chuva, trazem consigo todo tipo de coisa, que para nós é puro lixo, e se agarram naquilo, pois é o pouco que eles têm para sobreviverem.

    De tudo que um mendigo traz consigo, o que ele mais se apega é a um pedaço de pano sujo, um trapo que ele usa como cobertor nas madrugas de frio, e nos dias de inverno, que durante as horas de caminhada você a verá nas costas do mendigo, sendo usada como UMA CAPA.

    Era essa capa que viram em Bartimeu, suja, mal cheirosa, podre, encardida. Bartimeu levava uma consigo, como todo mendigo. O interessante que as coisas que chamam atenção, só as chamam por dois motivos, primeiro por serem coisas belas aos olhos, ou segundo por serem terríveis aos olhos, e a capa de Bartimeu se enquadra na segunda opção, era uma capa terrivelmente horrível, e Bartimeu viu a necessidade de se livrar dela para ir até a Jesus, pois ele em um momento espiritual nos revela algo sobrenatural.

    4) CONCLUSÃO
    Essa capa horrível e mal cheirosa de Bartimeu representa o pecado, o medo, os vícios, a idolatria, o mal, tudo de ruim na vida de uma pessoa, aquilo que por ser horrível nos separa de Deus, leia (Is-59:02), nos deixa impedidos de sermos abençoados. Por isso quero te dizer uma coisa, tenha a visão de Bartimeu que mesmo sendo cego, teve a inteligência, a sabedoria de se desfazer de sua capa suja, para se aproximar do Mestre, pois numa revelação do Espírito Santo, se Bartimeu viesse a Jesus com a capa com certeza não receberia o milagre, pois embora mesmo sem tomar banho, sem cortar seus cabelos, ou fazer sua barba, ele se atreveu a se apresentar a Jesus. Isso me mostra que Jesus te recebe com seus defeitos, suas maneiras erradas, suas ignorâncias, mas seus pecados devem ficar para trás, pois o Senhor não tem parte com o pecado.

    Amados, desfaça de sua capa suja, jogue ela fora e corra para os braços de Jesus, Ele quer fazer um milagre em sua vida, pois a pergunta já foi feita a você:

    O QUE QUERES QUE TE FAÇA? Então Bartimeu pediu aquilo que ele mais queria, VER.

    JEOVÁ te abençoe!
  • A Morte da Morte na Morte de Cristo

    O titulo acima é de uma obra de John Owen, escritor e teólogo, publicada em 1647. Não nos interessa aqui o conteúdo desse livro (de cunho polêmico), cujo objetivo é defender a redenção efetuada por Cristo na cruz apenas para os eleitos e predestinados, conforme ênfase da doutrina da predestinação de João Calvino e teólogos calvinistas.
    O título sim, nos chama a atenção: “A morte da morte na morte de Cristo”. Mas o que significa, afinal, a palavra “morte” nas três vezes em que ocorre nesta sentença?
    Em primeiro lugar, todos os homens são pecadores e, por isso, sujeitos à morte física e espiritual. Aqui, nos referimos à segunda menção da palavra “morte”. De acordo com a Bíblia,

    “o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5.12 – NVI).

    É a morte do corpo e da alma. Enquanto a morte física separa a alma do corpo, o qual retorna à terra, a morte espiritual afasta o homem de Deus. E o pecado é o causador dessa separação. O profeta declara:

    “Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça” (Is 59.2).
    Que tristeza! Tanto a morte física quanto a morte espiritual constituem a grande tragédia da humanidade.
    Em segundo lugar, essas duas mortes, física e espiritual, morrem na vida dos que estão em Jesus Cristo. Quer dizer, a morte que tanto nos aflige e nos tira a alegria já tem sua morte decretada em Cristo. Essa é a morte mencionada primeiramente no título. Em outras palavras: a “morte morre”. A morte morre? Estranho, não é? Bem, a morte eterna, que é a finalização da morte espiritual, já morreu antecipadamente para quem vive para Deus. Jesus diz:

    “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida” (Jo 5.24).
    Por isso, Jesus foi levantado na cruz e crucificado

    “para que todo o que nele crê tenha a vida eterna” (Jo 3.15).
    A vida eterna anula a morte eterna, a separação definitiva entre o ser humano e Deus. Logo, a vida eterna já nos é assegurada em Cristo nesta vida.
    Quanto à morte física, sabemos que não escaparemos dela, a menos que Cristo volte antes que ela ocorra. Felizmente, há uma certeza para nós:

    “Ora, o último inimigo a ser aniquilado é a morte” (1Co 15.26).
    Quando se dará? Na ressurreição dos mortos em Cristo, por ocasião da volta do Senhor Jesus. Em 1Coríntios 15.50-55, Paulo diz que quando o nosso Senhor retornar à terra, os vivos subirão com os corpos transformados, isto é, corpos íntegros e imortais. Então, se cumprirá a Palavra de Deus: “Tragada foi a morte pela vitória” (1Co 15.54). Em 1Tessalonicenses 4.16,17, lemos que os que morreram em Cristo ressuscitarão e os que estiverem vivos serão arrebatados com eles para viverem eternamente com o Senhor Jesus. Já em Apocalipse 21.4, está escrito:

    “E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas”. Apocalipse 21.4
    Isto é, a morte física terá seu fim.
    Em terceiro lugar, a morte da morte só é possível na morte de Jesus Cristo. Essa morte é a terceira referida do titulo. É a “morte” de Cristo que causa a “morte” das “mortes” física e espiritual. Complicado? Vejamos. Em 2Timóteo 1.10, Paulo escreve que Jesus Cristo não só destruiu a morte como também trouxe a vida e a imortalidade. Lemos, em Hebreus 2.14,15, o seguinte:

    “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão”. Hebreus 2.14-15

    Quando Cristo morreu na cruz, fazendo-se maldito em nosso lugar, teve o propósito deliberado e planejado de nos conceder vida eterna.
    Concluímos dizendo que a morte da morte na morte de Cristo é um fato que nos deve levar a amar mais o nosso Senhor. Por que Jesus Cristo teve de passar pela morte? Para anular a morte, que foi decretada contra nós por causa do pecado. A morte física, que desaba sobre nós como uma guilhotina sobre a cabeça do condenado, e a morte espiritual, que traz a conseqüente e terrível morte eterna, são inevitáveis resultados do pecado. Mas a vitória do cristão está garantida, como diz o apóstolo:

    “Graças a Deus, que nós dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Co 15.57).
  • Natan Ponci
    Natan Ponci agora é amigo de Evangelista Hilquias Mendes